Formação de artistas

Destina-se a oferecer a  artistas um programa de encontros com críticos de arte, artistas e curadores, para análise de portfólios e de seus processos de trabalho.

 

ARTE PÚBLICA, COM PAULA SCAMPARINI
Curso gratuito em parceria com a Escola de Belas Artes da UFRJ.
Serão oferecidas até 10 vagas, mediante processo seletivo.

Curso de caráter teórico prático, destinado interessados na discussão da paisagem urbana e na produção de trabalhos artísticos com viés público.  Será realizado estudo conceitual/teórico acerca do tema, análise de trabalhos já realizados no campo da arte, seguido de estudo de espaços públicos na região central do rio, propostas e encaminharemos de projetos. Propõe-se a realização de trabalho artístico ao final do período. A turma será composta por estudantes matriculados no curso de artes visuais com ênfase em escultura da UFRJ e estudantes matriculados através de chamada pública da Casa França Brasil.

 

Período:
23 Março – 08 Junho.
5ª feira, de 9h às 13h

Público alvo: Maiores de 18 anos, graduados e/ou interessados em Artes e áreas correlatas, com trabalhos em desenvolvimento.

Processo seletivo: Os interessados deverão encaminhar carta de intenção, justificando seu interesse pelo curso, e currículo para o email: casafrancabrasil.faleconosco@gmail.com de 08 a 17 de março de 2017. A lista de selecionados será divulgada até o dia 21 de março de 2017.

 

Paula Scamparini (Araras,SP-1980) vive e trabalha no Rio de Janeiro.
Graduada em Artes Visuais (Unicamp), Mestre e Doutora (UFRJ). Atualmente professora na Graduação da Escola de Belas Artes da Universidade Fedarel do Rio de Janeiro e professora eventual na Escola de Artes Visuais EAV Parque Lage – RJ. Trabalha com a ideia de paisagem como dispositivo, e o uso propositivo do conceito ecologia, o que permite observar e criar ecossistemas a partir de criação ou ativação de encontros, em diferentes contextos.
Realiza projetos em diferentes cidades e países através de convites a participação em residências e exposições. Das exposições individuais destacam-se: GPL Contemporary Space IV  (Viena, 2015) / IBEU (RJ, 2015)/ GEDOK Munchen (Munique, 2014)/ Casa de Cultura da America Latina (DF,2014) | Das coletivas destacam-se: Athena Contemporânea (RJ, 2017) / Blau Projects (SP, 2016) / A MESA (RJ, 2016)/ Carpe Diem Arte e Pesquisa (PT,2015) / Rathaus Galerie Munchen(AL-2015) / Kunstlerhaus Wien (AU,2014)/ Fuorifestival (IT, 2015) / Bienal de Cerveira (PT, 2014) / CMAHO (RJ 2012) | Realizou residências em: Oficinas do Convento (PT, 2016) / Carpe Diem Arte e Pesquisa (PT-2015) / GEDOK Munchen (AL, 2014) / La CourDieu (FR, 2012) / Bienal de Cerveira (PT, 2011). | Possui obras nas coleções institucionais: Galeria IBEU-RJ / Biblioteca Mario de Andrade–RJ / Carpe Diem Arte e Pesquisa -PT / LaCourDieu–FR / Bienal de Cerveira-PT. Curadora associada à plataforma americana baseada em Viena, VASA Project.

 

 

POÉTICA DAS OCUPAÇÕES, POÉTICAS DA INTERVENÇÃO – ENTRE ARTE E ATIVISMO, RICARDO ROCLAW BASBAUM E JOÃO CAMILLO PENNA

Curso gratuito em parceria com o Programa de Pós-Graduação em Ciência da Literatura (PPGCA) – UFRJ, Programa de Pós Graduação em Artes Visuais (PPGARTES) – UERJ e Programa de Pós-Graduação em Estudos Contemporâneos das Artes (PPGCA) – UFF.

Serão oferecidas até 5 vagas, mediante processo seletivo.

Manifestar, instalar, montar, ocupar; movimento, acontecimento, rebelião, insurreição. Uma reflexão que procurasse articular as questões da arte e literatura às da política, situando-se na junção arte/ativismo, deveria começar por uma discussão sobre os nomes da espacialização das práticas. Não há coincidência nenhuma no fato de uma crise mundial da democracia representativa, e do modelo partidário-eleitoral-parlamentar, mobilizando um diagnóstico mais ou menos consensual sobre a crise da política como um todo, ter produzido como seu corolário necessário e involuntário a invenção de novas formas de política, que poderíamos chamar de política direta ou imediata, que começaram a pulular pelo mundo com o início do século XXI. São exemplos dessas manifestações: o movimento Zapatista em Chiapas (México, ainda na última década do século XX), o movimento antiglobalização (de Altermondialização), a “primavera árabe”, o 15-M espanhol, o Occupy nos Estados Unidos, o Diren Gezi na Turquia, as manifestações de junho de 2013 no Brasil. Atualmente a política direta está sendo inventada no Brasil na escolas públicas, com o movimento das ocupações dos Secundaristas, contradizendo uma percepção lúgubre generalizada sobre o retrocesso da democracia brasileira na sequência do golpe jurídico-parlamentar-midiático ocorrido. O que tem a arte/poesia a dizer sobre isso? Uma primeira hipótese que gostaríamos de encaminhar é que há uma arte/poesia interventiva direta, que se situa no campo das práticas, avessa à representação, e que vem sendo praticada há algum tempo, oferecendo a contrapartida exata para a crise da representação política, em sintonia com os acontecimentos da política atual das redes sociais. Ela se articula com uma crítica institucional dos lugares hegemônicos da arte, mobiliza programas de ações coletivas em consonância com as ocupações, novo modelo da política do agora. Pensar uma “Poética das ocupações” no contexto das “Poéticas da intervenção” não significa estetizar as ocupações esvaziando o seu cunho eminentemente político, mas realizar um caminho de mão dupla: em que medida as ocupações mobilizam uma poética ou uma prática artística de intervenção; em que medida há uma política ocupacional envolvida em uma certa arte atual. Por outro lado, considerar as poéticas de intervenção também implica em reconhecer as diferenças entre ativismo e arte, no sentido da construção de si como artista ou ativista e no reconhecimento dos processos (conceituais, plástico-materiais, sensoriais) de intervenção que estão em jogo a cada momento. Há que se reconhecer a especificidade das práticas artísticas, em suas mediações de um circuito de arte, como processos de produção de subjetividade – ao mesmo tempo em que se diluem as diferenças entre a produção da obra de arte e a construção, organização ou gestão do evento/intervenção: há sempre em jogo um agregado de interesses, em que se enfrentam também aqueles das forças corporativas e macroeconômicas. Se ocupar um lugar como ativista ou artista no tecido social implica em experimentar e administrar um “intervalo” entre a “construção de si” e a “construção de si como ativista/artista”, como se dá a construção deste sujeito coletivo “de intervenção”? O que é que faço, o que quero fazer, onde me situo nesse contexto? Como se configura essa situação com a qual me defronto? Como ali intervir de modo a fazer com que a ação funcione e assim configurar uma prática e atuação? Percebo-me articulado em uma comunidade a partir da qual as práticas que desenvolvo produzem uma articulação mais intensa, de compartilhamento? Qual o perfil desta articulação comunitária: traços de uma amizade produtiva, questões geracionais, tópicos de uma plataforma comum de ação?

 

Período:
22 Março – 14 Junho
4ª feira, de 14hs às 18hs

Público alvo: Maiores de 18 anos, graduados e/ou interessados em arte, literatura e pensamento contemporâneo.

Processo seletivo: Os interessados deverão encaminhar carta de intenção, justificando seu interesse pelo curso, e currículo para o email: casafrancabrasil.faleconosco@gmail.com de 08 a 17 de março de 2017. A lista de selecionados será divulgada até o dia 21 de março de 2017.

 

 

IMERSÕES POÉTICAS

O Programa “Imersões poéticas”, promovido pela Casa França-Brasil, é uma das iniciativas da Instituição no sentido de potencializar a utilização de um espaço de cultura para além de seu papel expositivo, cumprindo com demandas da formação de público, artistas e profissionais da cultura.
O Programa tem como fundamento a proposição de um espaço de imersão para um grupo de artistas e pesquisadores. Com duração de três meses, março a maio de 2017, inclui encontros de acompanhamento e revisão de portfolio, exercícios de criação e concepção de ideias, e elaboração de projeto de pesquisa para futuros trabalhos. Estão previstos contatos com artistas e profissionais do sistema da arte, incluindo curadores, críticos de arte, diretores de museus, profissionais de galerias de arte, produtores,  restauradores, ministrando palestras, além de uma agenda de leituras individuais de portfolios.

 

RESULTADO FINAL – IMERSÕES POÉTICAS 2017 
RESULTADO DA PRÉ-SELEÇÃO – CONVOCAÇÃO PARA ENTREVISTAS  
CONVOCATÓRIA – IMERSÕES POÉTICAS 2017
FICHA DE INSCRIÇÃO – BOLSA – IMERSÕES POÉTICAS 2017
FICHA DE INSCRIÇÃO – PROCESSO SELETIVO – IMERSÕES POÉTICAS 2017
CONVOCAÇÃO PARA ENTREVISTA – BOLSA
CANDIDATOS APTOS A CONCORRER COM BOLSA – IMERSÕES POÉTICAS 2017

 

 

 

 

MÓDULOS ANTERIORES


Contato

info@casafrancabrasil.rj.gov.br

Telefone: 21 2332-5275 / 21 2232-5276

Rua Visconde de Itaboraí, 78 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, 20010-060

Funcionamento: 3ª a dom, de 10h às 20h